Teatro Amazonas, Manaus

Teatro Amazonas, Manaus

Saúde é coisa séria, não? Pois para cuidar da sua saúde, não basta falar, tem que fazer. Saiba: o câncer de mama mata 30 mulheres por dia, 50 mil por ano. No Brasil, um quarto (25%) dos diagnósticos termina em morte. O resultado é sinistro: esta é a principal causa de morte entre as mulheres brasileiras com até 50 anos.

O único jeito de prevenir o câncer de mama é com a mamografia. Auto-exame ajuda, mas não é eficaz, ok? Tem que ir fazer ui ui ui… Segundo a Femama (Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama) que promove #OutubroRosa, as principais razões para uma mulher não fazerem o exame são:

  1. Mamografia dói.
  2. Câncer mata e eu não quero saber.
  3. Vou perder os seios, os cabelos e o marido.

Ser mulher é bom, mas tem destas coisas. E é fundamental que você saiba o seguinte: a 1 milímetro de nódulo no seu peito, menos 1% de chance de cura. Direto e reto: quanto menor o nódulo, melhor. E também saiba: nem todo nódulo é maligno – pra saber precisa de biópsia.

Atendimento é o que a gente não tem

Daí que a mulher brasileira morre porque não tem sistema de saúde que a atenda. Ponto. Somente 13% conseguem mamografia pelo SUS! Detalhe: para começar o tratamento no sistema público, leva de 4 a 6 meses. Numa doença como câncer – em que as células estão se reproduzindo desenfreadamente – isso significa que o quadro piora muito antes do tratamento começar. 🙁

Aí, se você tem um plano de saúde acha que está salva? Mais ou menos! Se a mamografia é mais fácil de conseguir e o tratamento começa entre 7 e 21 dias. Só que, se você precisar do remédio específico, tem que bancar. E no sistema público ele é de graça (se não faltar).

Estas são as razões da gente fazer esta blogagem coletiva: contar estes e outros detalhes sobre a saúde dos nossos peitos. Porque na hora de dizer que é mulher, vote em mim, todo mundo aparece. Na hora de arrumar mamógrafos para o Brasil inteiro, cadê as políticas? Vamos correr atrás dos nossos representantes, participar ao máximo para conquistar mais este direito, que é fundamental.