Heart Cookies

A Geovana começou o melhor tópico no grupo de discussão: Quais os planos para 2016? Tem alguma coisa que analisando o 2015 vocês fariam diferente?

O primeiro mês do ano me parece o melhor momento para fazer essa reflexão e pensar em mudar o que não gostamos no ano anterior ou projetar nossos desejos.

Claro que os depoimentos de lá seguem por lá e são pessoais. Usando o que conseguimos aprender com a nova plataforma P2, lá no WordPress.com, pensei em abrir o mesmo tópico para a gente discutir os nossos planos para 2016. [Se você ainda não é autora no LLC-WP, faz parte do nosso grupo e deseja participar, basta pedir que a gente inclui, ok?]

Um balanço do LuluzinhaCamp em 2015, do meu ponto de vista:

– no ano em que o protagonismo feminista tomou todas as redes e lançou projetos como o #primeiroassedio, lutas com agências de publicidade, pólos de publicação e problematização das questões de gênero tomando pé na web e atingindo inclusive revistas femininas, este grupo ficou escondido. É uma pena, porque temos tecnologia de convivência – e de educação – para transmitir.

– O Encontro Nacional, em outubro foi muito bacana. Foi uma amostra de que temos conteúdo – muito – e exatamente isso que está aí em cima: tecnologia de convivência e para educar.

– O grupo de discussão se revelou uma incubadora de talentos – e de apoio nas horas de necessidade, para as que dele participam. Crescemos para mais de 500 mulheres e criamos um grupo de conversa no Telegram, a grande alternativa ao WhatsApp, onde se conversa de tudo um pouco.

Este ano vimos dois projetos muito bacanas, o Maria Lab e as Py Girls ganharem o Women Tech Makers. Dá um orgulho danado ver esta mulherada competente produzindo projetos de inclusão e feminismo com tecnologia.

O Lugar de Mulher também virou um epicentro muito bacana do feminismo na rede, saindo um pouco da coisa dos grandes grupos e investindo no autoral.
Testemunhamos e participamos de diversos movimntos,como o #primeiroassedio e #SerMulheremTech.

Pra fechar o ano com chave de ouro fomos testemunhas oculares do tema da redação do ENEM: Violência contra a Mulher – e também teve pergunta sobre feminismo na prova. #WIN #WIN.

O que a gente faria diferente?

O que faremos como coletivo em 2016?

Comentários abertos, soltem tudo pra gente planejar!

Foto: Skley via Compfight cc