25110822523_cc8476c843_o

Na terceira edição, o Mulheres Digitais sai do campo dos sucessos e feitos no mundo digital para falar de respeito. Em tempos de agressões livres sobre todes nós, as palestras prometem falar muito sobre o assunto.

Confesso que sempre torço um tanto o nariz pro evento, porque capitaneado por um homem, ele tem gosto de mansplaining. Todavia, entretanto, contudo, o palco é tomado por mulheres maravilhosas, com histórias e casos que nos ajudam a avançar na luta de todo dia.

No dia 15 de outubro não será diferente. O Mulheres Digitais começará às 9h da madrugada com as marceneiras Fernanda Sanino e Letícia Piagentini contanto sobre como é empreender em um ambiente tipicamente masculino. 9h45 tem a doutora Cândida Almeida, da Casper Líbero, falando sobre a cultura (velada? Eu acho que é aberta mesmo) das violências contra as mulheres. Logo depois entra Anna Castanha falando sobre a ignorância sobre as questões de gênero e orientação sexual. E na sequência, Maria Rita Casagrande fala sobre sororidade, raça e respeito.

Morreu de amor? Calma que logo depois da palestra da Maria Rita tem homenagem – e tô sabendo que é muito especial, de derreter coração mesmo.

Depois do almoço a tarde começará com a apresentação dos novos projetos do Mulheres Digitais para 2017. Às 14h50 Nathalia Blagevitch, que é professora tutora de direito do trabalho do Damásio Educacional, fala sobre a vida de deficiente física e reflete sobre o que é uma sociedade eficiente. Depois, Raquel Marques, presidente da Associação Ártemis, fala sobre a maternidade desamparada. Sim, aborto, violência obstétrica, saúde materna e gestação humanizada no palco.

Para encerrar, às 16h45, Carol Patrocínio, do Comum.vc, recebe convidadas para responder às perguntas que homens fazem sobre o feminismo. O bloco será transmitido ao vivo na página do evento no FB.

Para comprar o ingresso, que tem preço único de R$ 99,00, basta acessar o site do evento: http://eventomulheresdigitais.com.br

Foto: Lucia Freitas