Dia de Luta pela Descriminalização do Aborto na América Latina e no Caribe

marcha das vadias 2015_RJ_midia ninja

“A cada dois dias, uma brasileira (pobre) morre por aborto inseguro, problema ligado à criminalização da interrupção da gravidez e à violação dos direitos da mulher”.

Eu sempre fui contra o aborto, e mais: sempre disse que jamais faria um. Repetia todos as frases prontas e preconceituosas que a maioria das mulheres “pró-vida” repetem à exaustão. 

Sempre namorei; relacionamentos longos, estáveis. Alguns, com caras legais, outros nem tanto e uma vez achei que estava grávida do namorado mais babaca que tive. Os pais dele disseram, na minha cara, que se eu estivesse grávida, mandariam ele pro exterior. Eu fiquei chocada com aquilo, mas, aos 20 anos, era uma bobona e não revidei, não respondi e, felizmente, não estava grávida. Se estivesse, minha mãe disse que me apoiaria, caso eu quisesse abortar. Tenho certeza que era por causa do cara. O namoro terminou no ano seguinte.

Alguns anos depois, namorando o sujeito que viria a ser meu marido, descobri que estava grávida: tomava pílula e ela falhou. Acontece. Estávamos juntos há pouco tempo, não tínhamos nada estruturado e eu nem sabia se queria ter filhos, com ele ou com outra pessoa. 

Naquela época, eu não sabia absolutamente nada sobre feminismo, aborto, nada. Era o auge do blog Mothern e seu Livro de Visitas cheio de informações importantes. E foi ali, naquele ambiente seguro, que contei minha história e fui acolhida o tempo todo.

Mas foi uma colega de trabalho que sussurrou um nome: um médico conhecido pelos abortos seguros, recomendado, inclusive, por outres ginecologistas. 

Marquei consulta, o namorado foi comigo. O médico esclareceu todas as nossas dúvidas e foi enfático: pensem bem e tomem a decisão mais consciente, porque não tem como voltar atrás, em nenhum dos casos. Por fim, fizemos o aborto, numa clínica, de forma segura e orientada. 

O pós aborto, no entanto, foi muito duro, pra mim: tive crises de pânico, fiquei deprimida, me senti um lixo, a pior das mulheres. A tal culpa católica bateu forte. 

Poucas pessoas souberam e dessas poucas, uma ou duas me julgaram por suas próprias réguas: foi quando senti, na pele, que falar sobre aborto ainda era um tabu muito grande. Eu não tinha com quem conversar sobre esse e outros assuntos e me sentia muito sozinha. Felizmente, o feminismo surgiu na minha vida alguns anos depois. Foi então que descobri muitas coisas sobre esse assunto, entre elas, que fui muito privilegiada e sortuda por ter tido acesso a um aborto seguro, com meu namorado ao meu lado e principalmente, por ter tido a chance de escolher não seguir com uma gravidez indesejada.

Defender a descriminalização do aborto é defender que todas as mulheres, sem exceção, tenham o direito a autonomia sobre nossos corpos, nossas vidas, nossos planos e sonhos. Uma gravidez acontece a dois. Evitar, prevenir, planejar, é responsabilidade do homem e da mulher. Mas não é o que acontece no Brasil. Aborto é caso de saúde pública, já que o número de mulheres que morrem em decorrência de procedimentos mal feitos é muito alta. 

Não vou me alongar mais. Pra quem quiser saber mais, deixo o link que me motivou a escrever esse relato: http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2013-09-20/clandestinas-retratos-do-brasil-de-1-milhao-de-abortos-clandestinos-por-ano.html

 

Por todas nós. Pela autonomia dos nossos corpos. Pela vida das mulheres. 

foto: Midia Ninja – CC-BY-SA

LuluzinhaCamp em julho na Kød

rp_LLC2015.-Nat-Gunji-600x398.jpg

Finalmente conseguimos. Dia 31 de julho, das 10h às 18h teremos encontro na Kød. Cortesia da casa – onde a nossa querida Mafrinha anda fazendo o melhor cheesecake de São Paulo.

O que vai ter?

Desconferência, como sempre, porque a gente é roots e segue fazendo roda de conversa como dá na veneta.

Os temas já estão mais ou menos delineados. A saber:

negócios das mulheres: quem são nossas empreendedoras, onde estão, o que fazem? Aqui todo mundo contribui para o desenvolvimento do negócio, desde comunicação, estrutura, decoração, otimização, produção, enfim cada um com seu know how ajuda o negócio da amiguinha a acontecer.

Oficina de desenvolvimento de Modelo de Negócio: temos muitas empreendedoras e não sei se todas conhecem o Canvas e sua metodologia, muitas vezes não há tempo pra fazer o plano de negócio, mas se conseguir desenvolver o modelo e depois evoluir já pode ser uma mão na roda.

Roda de conversa sobre organização: sim, temos várias discípulas de Marie Kondo e algumas com métodos próprios, cof, cof, Érica Minchin (que não estará, mas sempre está nos nossos corações). Vamos debater, compartilhar e mostrar como praticar isso nas muitas esferas de vida.

– Como ajudar quem precisa mais que a gente? Mafrinha explica a proposta: essa galera que morreu de frio nas ruas me chacoalhou e eu quero sair da inércia, mas não sei como. E honestamente, e preconceituosamente, tenho medo de ir a certos lugares levar doações, comida, ajuda, atenção. Mas não da pra eu ficar sentadinha no meu conforto sabendo da galera fodida que vive nas ruas de SP. Alguém sabe como agir?

Crenças limitantes, síndrome do impostor e os bloqueios mentais que a gente enfrenta por aí. Desabafo coletivo guiado.

– Finanças pessoais: como cuidar, resolver problemas e ser uma pessoa mais rhyka. Com Evelin Ribeiro

Emoções #comolidar, com Carla do Brasil

Roda de bordado livre – organização da Carla, também. Material comprado por cada uma.

Inscrições abertas!

Preencha o formulário.

Contribuição para o encontro: R$ 20,00






Leve sua caneca, comida (bacana, por favor) e bebidas.

Juntas somos fortes

“Companheira me ajuda, eu não posso andar só. Eu sozinha ando bem, mas com você ando melhor”


Ontem em São Paulo, Rio de Janeiro e várias outras cidades do Brasil aconteceram manifestações chamadas Por Todas Elas. Organizadas por vários coletivos feministas o foco era o caso da adolescente estuprada por 33 homens no Rio. Elas são as 9265 vítimas dessa violência que prestaram queixa no ano passado no estado de São Paulo. Elas são as 3242 mulheres que de janeiro a abril deste ano relataram os abusos que sofreram, também em São Paulo. Elas são as mulheres que são estupradas a cada 11 minutos em todo o país. Elas somos todas nós, mulheres, que temos medo de andar sozinha a noite, de andar em ruas escuras, de voltar a pé do metrô, de usar roupas curtas.


PTE3

Foto: Juliana Colombo


“1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32, 33”


Esse crime gravíssimo contra uma adolescente chamou a atenção de todo o país, evidenciou machismos e como para muitas pessoas a vítima sempre tem grande parcela de culpa. O termo Cultura do Estupro passou a ser usado fora dos nichos feministas. As discussões que surgiram por conta desse absurdo são muito importantes e não podem esfriar.
O ato, apesar de sempre lembrar esse caso, chamou a atenção de outros retrocessos que as causas feministas vem sofrendo no país.


“Direito ao nosso corpo
Legalizar o aborto”


A legalização do aborto até a 12ª semana de gestação é um tema recorrente em manifestações feministas. E nesta quarta feira não foi diferente. Diversas músicas entoadas pelo grupo trataram desse tema que tem se tornado comum nas rodas de conversa, mas ainda é velado, criminalizado. Mulheres, principalmente negras e pobres morrem todos os anos em decorrência de procedimentos mal feitos. O dado mais recente que encontrei é de 2013 e segundo ele mais de 200 mil mulheres eram internadas na rede publica em decorrência de complicações do aborto.


“A Cada 11 minutos. Uma mulher é estuprada no Brasil. A culpa nunca é da vítima.”


A agenda feminista parece não ter fim. Cada manifestação traz mais um ponto que a sociedade precisa discutir. Até que sejamos de fato tratadas como iguais aos homens, não sairemos das ruas. Até que nossos corpos deixem de ser objetos. Até que nossas causas deixem de ser piada. Até que não sejamos vistas como menor, só por ser mulher. Vamos às ruas.


PTE2

Nem a chuva enfraqueceu a luta Foto: Juliana Colombo


Juntas somos mais fortes
Eu mulher, negra, resisto
Moça, a culpa não é sua, é do estado
Mexeu com uma, mexeu com todas
Para ela, a culpa, para eles, a desculpa
Eu não preciso de proteção, eu quero a sua reinvenção


*As aspas do texto são músicas cantadas durante o ato, e as frases que fecham foram tiradas de cartazes, camisetas e pixos do ato.

Aborto, de novo e sempre, legal para todas

A primeira coisa que me aconteceu hoje foi encontrar a matéria da TPM sobre professoras que foram desligadas de universidades por defenderem a legalização do aborto. [Você pode conferir clicando no link: http://revistatrip.uol.com.br/tpm/professoras-defendem-a-descriminalizacao-do-aborto-e-sao-desligadas-de-universidades]

Eu parei de escrever pela legalização do aborto há muito tempo porque, depois de um post contra o Estatuto do Nascituro no finado blog 300 – que nunca parou de receber comentários pra lá de esdrúxulos – eu traumatizei.

No Brasil, além das questões estruturais e próprias da política neste momento específico, há uma cegueira e um silêncio eterno a respeito não só de nós, mulheres, mas também sobre as nossas questões.

Em recentes audiências públicas sobre o assunto, tive o desprazer de ver mulheres falando tanta babosa que a gente poderia fazer uma fábrica de hidratante sem medo.

O raciocínio é simples:

Todo indivíduo é igual perante a lei.

O Estado é laico – portanto não é sujeito a leis religiosas e a fé é livre.

A saúde pública é direito de todos e dever do Estado.

É também dever do Estado tratar e cuidar de todos os seus cidadãos de forma igual.

Isso é Constituição, certo? Vale para todo mundo? Não.

Então porque as mulheres não podem fazer laqueadura a qualquer momento de sua vida? (Não, não podemos, os médicos não fazem, se recusam mesmo que a pobre implore ou peça de joelhos, mesmo que cumpra a regra: maior de 25 anos OU dois fihos).

Por que diabos somos vítimas de violência obstétrica o tempo todo?

Por que somos obrigadas a ter filhos?

O Brasil tem uma montanha de leis que se sobrepõem à Constituição – que garante igualdade de direitos – e impedem as mulheres de dizerem o que querem para si e como querem. Vai daí que mesmo mulheres que legalmente têm direito ao aborto (em caso de estupro, risco à vida ou impossibilidade de sobrevivência do feto já é legal) não conseguem fazer o procedimento na rede pública.

Se você duvida, veja (ou reveja) o sofrimento de Severina.

Existem, hoje, não só projetos de lei que propõem exatamente a legalização. Existem centenas de projetos também que estão à caça dos pouquíssimos direitos que a mulher hoje tem de dizer o que quer ou não em seu corpo. Ninguém é obrigada a seguir grávida. Um punhado de células não pode se sobrepor à vontade de uma mulher adulta – ela, sim, cidadã. Isso é tão mínimo, tão básico, que chega a ser absurdo ainda termos que discutir o assunto.

Mas temos que falar. E as professoras foram demitidas exatamente porque falaram. Porque fazem pesquisas e conversam sobre isso com seus alunos.

Outro dia, num táxi, usei outro raciocínio simples com pessoa religiosa – e parece que funcionou. Porque eu tenho que seguir o que você acha? É muito simples: numa democracia cada um faz o que acha, de acordo com suas crenças. Exatamente por isso é direito da mulher brasileira decidir que não quer ser mãe. Porque ela não quer e ponto. Sem justificativa, sem prestar contas a quem quer que seja. Se a pessoa é religiosa e acha que é errado, que não faça.

A crença é livre – e você pode ser da umbanda, do candomblé ou da corrente evangélica que escolher, ninguém mete a colher, certo?

O corpo é pessoal e intransferível, bem como a vida. O impacto de um filho é algo absolutamente irreversível. Criança exige atenção, cuidado, dedicação absoluta – e não é por um tempo, é pelo resto da vida. As mulheres sabem disso, sabem que, em geral, não contam com companheiros para dividir a carga. Muitas de nós querem sim ter filhos – e estamos aqui prontas para ajudar todas a conquistar seu desejo da melhor forma. E quem não quer?

A criminalização das cidadãs brasileiras que não querem filhos (ou não querem este filho) é um absurdo. Temos o direito de resolver quando, como e se queremos filhos. Não somos chocadeiras (nem objetos).

Com a epidemia de Zika à solta o tema voltou. E ninguém menos que Dráuzio Varella diz tudo o que outros não podem (ou devem, por medo de demissão e outro tipo de retaliação) http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/02/160201_drauzio_aborto_rs

Foto: Unsplash, Mario Azzi

O que vocês querem para 2016?

Heart Cookies

A Geovana começou o melhor tópico no grupo de discussão: Quais os planos para 2016? Tem alguma coisa que analisando o 2015 vocês fariam diferente?

O primeiro mês do ano me parece o melhor momento para fazer essa reflexão e pensar em mudar o que não gostamos no ano anterior ou projetar nossos desejos.

Claro que os depoimentos de lá seguem por lá e são pessoais. Usando o que conseguimos aprender com a nova plataforma P2, lá no WordPress.com, pensei em abrir o mesmo tópico para a gente discutir os nossos planos para 2016. [Se você ainda não é autora no LLC-WP, faz parte do nosso grupo e deseja participar, basta pedir que a gente inclui, ok?]

Um balanço do LuluzinhaCamp em 2015, do meu ponto de vista:

– no ano em que o protagonismo feminista tomou todas as redes e lançou projetos como o #primeiroassedio, lutas com agências de publicidade, pólos de publicação e problematização das questões de gênero tomando pé na web e atingindo inclusive revistas femininas, este grupo ficou escondido. É uma pena, porque temos tecnologia de convivência – e de educação – para transmitir.

– O Encontro Nacional, em outubro foi muito bacana. Foi uma amostra de que temos conteúdo – muito – e exatamente isso que está aí em cima: tecnologia de convivência e para educar.

– O grupo de discussão se revelou uma incubadora de talentos – e de apoio nas horas de necessidade, para as que dele participam. Crescemos para mais de 500 mulheres e criamos um grupo de conversa no Telegram, a grande alternativa ao WhatsApp, onde se conversa de tudo um pouco.

Este ano vimos dois projetos muito bacanas, o Maria Lab e as Py Girls ganharem o Women Tech Makers. Dá um orgulho danado ver esta mulherada competente produzindo projetos de inclusão e feminismo com tecnologia.

O Lugar de Mulher também virou um epicentro muito bacana do feminismo na rede, saindo um pouco da coisa dos grandes grupos e investindo no autoral.
Testemunhamos e participamos de diversos movimntos,como o #primeiroassedio e #SerMulheremTech.

Pra fechar o ano com chave de ouro fomos testemunhas oculares do tema da redação do ENEM: Violência contra a Mulher – e também teve pergunta sobre feminismo na prova. #WIN #WIN.

O que a gente faria diferente?

O que faremos como coletivo em 2016?

Comentários abertos, soltem tudo pra gente planejar!

Foto: Skley via Compfight cc

Mostre seu amor

Temos selinhos para o seu site ou blog.
Pegue o seu.

Outubro Rosa

Outubro Rosa 2014

Blogroll

Page 1 of 8512345...102030...Last »