Ada lovelace day: ou parem a violência de gênero dentro da área tecnológica

Revisão textual e contribuições da programadora web: Lanika Rigues

O “Dia de Ada Lovelace” foi criado em 2009 por Suw Charman-Anderson, como resultado do apagamento da presença feminina que algumas empresas insistiam e insistem em fazer nos eventos de tecnologia, sempre optando por palestrantes homens – apesar do destaque de mulheres em diversas áreas. A data escolhida foi em outubro, para melhor acomodar as atividades de todos os participantes do grupo, mas o aniversário real de Ada Lovelace é em dezembro. Em 2015 ela fará 200 anos de nascimento.

Tratamos o preconceito como algo do passado, mas ele ainda está presente no cotidiano de forma violenta, chegando ao ponto de uma pessoa se sentir ameaçada fisicamente e não se sentir segura ao se locomover pelo simples fato de ser mulher. O apagamento também é uma forma de violência – o número de mulheres na área de tecnologia já foi maior e diminuiu. Hoje, algumas organizações realizam eventos pelo mundo em homenagem à primeira programadora e a outras mulheres de destaque, com palestras dadas por mulheres que causaram impacto nas áreas de ciência, matemática e tecnologia. Ada, mesmo reconhecida internacionalmente pelo caráter único do seu trabalho, ainda hoje possui alguns detradores que colocam em dúvida a sua autoria.

 Participe:

(lista Luluzinha Camp)   https://groups.google.com/forum/#!forum/luluzinhacamp

(dados abertos e aplicativos do governo – tecnologia e gênero)  http://edemocracia.camara.gov.br/web/hackathon-de-genero-e-cidadania/forum#.VDZVePldV9t

Se você acha esta situação ruim, descobertas fundamentais realizadas por mulheres negras que participam da academia são ainda mais colocadas em xeque – elas precisam constantemente provar a sua capacidade – e isso vem de muitos anos antes da política de cotas sequer ter a possibilidade de implementação ou discussão. Muitas cientistas nunca foram reconhecidas, e isso ajudou a disseminar a ideia de que mulheres não são aptas para os números: Lisa Meitner fez cálculos que permitiram a descoberta da fusão nuclear; Rosalin Franklin fez a fotografia que permitiu revelar a estrutura da dupla hélice do DNA; Nettie Stevens descobriu os cromossomos X e Y, que determinam o sexo das pessoas. Por fim Hedy Lamarr, que durante a Segunda Guerra Mundial criou um aparelho de comunicação capaz de despistar radares nazistas – esta tecnologia serviu de base para criar o celular. Nos casos em que a equipe ganhou o prêmio Nobel, as mulheres muitas vezes não foram citadas, sequer como co-autoras!

Lady Ada, por Lisa Congdon. Fonte: http://www.vlsci.org.au/page/publications

Se falamos em pouco progresso, em 2014 houve o #gamergate: as ofensas não eram críticas somente à capacidade, mas apenas e tão somente devido ao fato de ser mulher. Em uma indústria que se diz de ponta, seria de se esperar que a maneira de tratar a mulher devesse ser também avançada, mas o que vimos foi a comunidade gamer ignorar, minimizar e distorcer um acontecimento e ainda espalhar fotos de uma desenvolvedora de jogos nua. Lembrando que o machismo pode ser reproduzido por outros gêneros e não se restringe apenas ao masculino.

Na contramão disso houve o engajamento e a declaração da artista Emma Watson, que lançou a campanha He for She. Nele, ela reafirma que o protagonismo, discussão e liderança no feminismo são das mulheres, sempre; o programa incentiva a parceria, apoio e reflexão dos homens na luta pela igualdade dos gêneros na prática e diz que a presença masculina é mais que bem-vinda.

Filha do poeta Lord Byron e Annabella Milbanke – chamada pelo esposo carinhosamente de Princesa dos Paralelogramos – Augusta Ada Byron foi fruto de um casamento que durou pouco e teve pouca convivência paterna. Tinha saúde delicada, e teve como tutora na área a matemática Mary Sommerville (que traduziu para o inglês Mécanique Céleste de Laplace).

Em 1833 aos 18 anos Ada Byron foi apresentada a Charles Babbage, que era amigo de Mrs Somerville, em uma festa na corte. Fascinada com a máquina analítica após visitar o laboratório de Babbage, acompanhou suas pesquisas e mais tarde se dedicou a traduzir um artigo de Luigi Menabrea “De sur la máquina analytique”. As notas que a “Encantadora dos Números” escreveu tinham o triplo do tamanho do que traduzira, mais longas do que o texto em si. A tradução a levou a escrever o primeiro algoritmo para calcular números de Bernoulli.

Após o casamento, Ada tornou-se Lady Augusta Ada Byron King, Condessa de Lovelace, mãe de três filhos. Era uma mulher à frente do seu tempo, que flertou abertamente e protagonizou vários escândalos – por isso parte da sua correspondência foi perdida, destruída pelo marido. A continuidade de seu trabalho científico foi prejudicada pela falta de interlocutores após a doença e falência de Babbage. Parte ainda se prejudicou pelo seu hábito de fazer apostas em cavalos e a fragilidade do seu estado de saúde se acentuou quando substituiu suas refeições por vinho e ópio.

Hoje conhecida como Ada Lovelace, Lady Ada é considerada a primeira programadora da história pois escreveu o que se considera o primeiro algoritmo a ser interpretado por uma máquina. Segundo historiadores, a maior contribuição de Lady Ada à programação foi vislumbrar que o computador mecânico poderia fazer outras operações além de simplesmente fazer contas com números – operações complexas relacionadas à composição musical, por exemplo.

Notas de Lovelace foram publicadas pela primeira vez no The Ladies’ Diary, e no livro de Richard Taylor Memoirs Científica Volume 3 em 1843 como AAL. O algoritmo teria funcionado se a máquina de Babbage tivesse realmente sido construída, mas o projeto só foi realmente efetivado em 2002 pelo Museu da História do Computador, em Londres.

 

Participe mais:

http://luluzinhacamp.com/sobre/

http://mulheresnacomputacao.com/

https://www.facebook.com/GiTSaoPaulo/

https://www.facebook.com/onumulheresbrasil

https://www.facebook.com/femininolivre/

https://pt-br.facebook.com/nucleogetec

https://www.facebook.com/groups/533067570082981/

 https://www.facebook.com/groups/533067570082981/

(traduza) http://en.wikipedia.org/wiki/Wikipedia:Meetup/Ada_Lovelace_Edit-a-thon_2013_-_Brown

 

Biografias e livros :

A Passion for Science: Stories of Discovery and Invention

http://findingada.com/book/ada-lovelace-victorian-computing-visionary/

Negras e Negros Inventores, Cientistas e Pioneiros – Contribuições para o desenvolvimento da humanidade http://leiaoestatutodaigualdaderacial.blogspot.com.br/2013/01/negras-e-negros-inventores-cientistas-e.html

Essinger, James: (2013) A Female Genius: How Ada Lovelace Started the Computer Age.

Ada´s Algorithm: How Lord Byron’s Daughter Ada Lovelace Launched the Digital Age (lançamento out/2014) http://www.theatlantic.com/technology/archive/2014/09/before-computers-people-programmed-looms/380163/

Walter Isaacson (mesmo autor da biografia do Steve Jobs) : lançamento out/2014 THE INNOVATORS How a Group of Hackers, Geniuses, and Geeks Created the Digital Revolution. New York Times (em ingles) http://www.nytimes.com/2014/10/09/arts/walter-isaacsons-the-innovators-studies-computer-wizards.html

J Baum, The Calculating Passion of Ada Bryon (Hamden, 1986).

M Elwin, Lord Byron’s family : Annabelle, Ada, and Augusta, 1816-1824 (London, 1975).

D L Moore, Ada, Countess of Lovelace: Byron’s Legitimate Daughter (London, 1977).

D K Stein, Ada : A Life and a Legacy (Cambridge Mass., 1985).

B A Toole, Ada, the enchantress of numbers : a selection from the letters of Lord Byron’s daughter and her description of the first computer (Mill Valley, Calif., 1992).

 

 Saiba ainda mais:

https://www.adafruit.com/about

16 outros grandes nomes femininos na computação https://www.sdsc.edu/ScienceWomen/

Vídeos sobre Ada Lovelace http://mulheresnacomputacao.com/2013/10/15/ada-lovelace-day-2013/

Biografia de Lovelace em quadrinhos http://sydneypadua.com/2dgoggles/lovelace-the-origin-2/

presença em peso de mulheres em evento de tecnologia – qual a diferença? http://www.ebc.com.br/tecnologia/galeria/imagens/2012/10/latinoware-2012-se-destaca-pela-grande-presenca-de-mulheres

https://www.facebook.com/GarotasCPBr

http://mulheresnatecnologia.org/evento

http://www.hackagenda.com.br/

http://ada.vc/

 

(patrocine)

 https://www.indiegogo.com/projects/ada-lovelace-day-live-2014

http://observador.pt/2014/08/21/bonecas-com-profissoes-ligadas-querem-inspirar-criancas/

http://rodadahacker.com/quanto-custa-uma-rodada-hacker-uma-conta-de-papel-de-pao/

 

Doodle de 2012 em homenagem ao primeiro dos programadores da história : 197º aniversário de Ada Lovelace

fonte: google http://www.google.com/doodles/ada-lovelaces-197th-birthday

 

Referências:

http://findingada.com/blog/2009/01/05/ada-lovelace-day/

http://www.newscientist.com/blogs/shortsharpscience/2009/03/ada-lovelace-day.html

http://www.geledes.org.br/racismo-e-preconceitos/casos-de-preconceito/

http://www-history.mcs.st-and.ac.uk/Biographies/Lovelace.html

http://www.britannica.com/eb/article-9049130/Ada-King-countess-of-Lovelace

http://blogs.estadao.com.br/link/as-pioneiras-que-a-tecnologia-esqueceu/

http://www.miniweb.com.br/atualidade/tecnologia/artigos/ada_%20byron.html

http://super.abril.com.br/blogs/superlistas/7-coisas-que-voce-deveria-saber-sobre-ada-lovelace/

http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/paisagem-fabricada/2012/10/22/ada-lovelace-a-primeira-programadora/

http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/internacional/noticia/2014/10/12/evolucao-da-tecnologia-nao-seria-a-mesma-sem-as-mulheres-150665.php

http://operahouse.com.br/blog.php?u=ada-lovelace-a-primeira-programadora-da-historia

http://blogs.estadao.com.br/link/quem-e-ada-lovelace-e-por-que-ela-tem-um-dia/

http://www.dirigida.com.br/news/pt_br/ada_lovelace_a_primeira_programadora_do_mundo_r7/redirect_10678055.html

http://br4d4.wordpress.com/tag/ada-lovelace/

http://www.softwarepublico.gov.br/O_que_e_o_SPB

http://thinkolga.com/2014/04/11/as-seguidoras-de-ada-lovelace/

http://jurassicdos.blogspot.com.br/2012/10/ada-lovelace-day.html

(discussão sobre programador/programadora)

http://vidadeprogramador.com.br/2011/09/03/desde-quando-mulher-sabe-programar/

http://www.gazetadopovo.com.br/blogs/mulherio/ada-lovelace-a-primeira-programadora-da-historia-4/

Beabá do e-commerce no Brasil

ride in the shopping cart

Nós pedimos esse texto à Marlene porque várias de nós são pequenas lojistas na internet [destaque para dona Simone Miletic, que faz crafts lindos de viver e dona Alessandra "NenaChocolates" Luvisotto, com seus brigadeiros e bolos deliciosos].

Nossas mulheres querem empreender e lhes falta … plataforma. Como pode? A Marlene fez um trabalho de Hércules e esmiuçou o mercado de micro-e-commerce de um jeito muito claro.

Então esse post é pra você entender o mercado, o que acontece, como acontece e o que é cada coisa.

Olá, meu nome é Marlene Dualiby, atuo no mercado de e-commerce há 4 anos, fui sócia-proprietária, entusiasta e desenvolvedora do e-commerce Sexchic (Loja de produtos sensuais para mulheres).

Em 2009 quando o site foi lançado quase não existiam sex-shops com linguagem sutil, eram todos bem parecidos e voltados para o público masculino, senti uma necessidade do mercado de um site onde mulheres poderiam comprar seus brinquedos e cosméticos no conforto/sigilo da sua casa e, além disso, ficar por dentro das novidades do mercado. Toda a linguagem do site era estilo pinup (o que depois virou uma tendência nesse mercado) com cores pastéis e imagens bem humoradas.

O site foi descontinuado em 2011 e hoje ainda aguarda um relançamento.

Mas porque parou?

Infelizmente no Brasil não há muito incentivo para pequenos empresários e brigar com quem é maior acaba sendo injusto e desanimador.

Começando pelos Correios, que cobram uma taxa caríssima de frete para a mesma cidade que pode variar de 10 a 20 reais por produto. O cliente se sente desmotivado a efetuar a compra.

Ah, mas existe o E-Sedex!

E-Sedex é um serviço dos Correios para ajudar os comerciantes virtuais, é o serviço de entrega parecido com o Sedex mas cobra bem menos que o valor convencional. Mas para ter um contrato com eles, você tem que gastar cerca de 2mil reais somente de custos de entrega. Qual empreendedor iniciante tem esse custo/investimento logo no início?

Juntando toda experiência e perrengues que acumulei na bagagem sendo como proprietária de e-commerce ou como desenvolvedora, resolvi fazer um guia para eliminar as principais dúvidas de quem está começando no e-commerce.

Pagseguro, Moip, Paypal, o que é isso?

São plataformas de pagamento online, intermediadores de pagamento. Seu cliente paga para eles e eles te repassam o dinheiro. A vantagem é que eles assumem o risco total de vendas. Portanto se eles confirmam que a venda está como aprovada, você irá receber seu dinheiro.

A desvantagem é a porcentagem que cobram sobre a sua venda, que pode variar de 4,99% a 7,4%, mais a tarifa de transação.

O PagSeguro por muito tempo liderou o mercado, mas agora os concorrentes estão começando a mexer.

Veja a tabela abaixo com a comparação de alguns meios de pagamento:

comparação dos meios de pagamento brasileiros

Porque o Moip está centralizando tudo? Atualmente ele é o único que permite checkout Split – ele permite que num mesmo carrinho seja fechado o pedido de várias lojas diferentes. Por exemplo:

Você pode comprar a calça da loja A, a blusa da loja B e o colar da loja C no mesmo carrinho de compras, isso facilita muito para o cliente final, pois não precisa realizar 3 compras diferentes, com 3 carrinhos de compras diferentes.

Porque tanta resistência com o Moip?

Os usuários já possuem muitos cadastros e a maioria não quer se cadastrar de novo, por isso preferem o Pagseguro, possuem resistência com o Moip, até mesmo porque o Moip não é tão divulgado quanto o Pagseguro para o consumidor final, acredito que ele seja mais focado para os lojistas.

Novidade: Quem está chegando nesse mercado é o Google, com o Google Wallet, já está funcionando e disponível em alguns sites.

Plataformas de e-commerce

Se você não está disposto a investir muita grana no início da sua loja virtual, essa pode ser uma boa alternativa.

São sistemas prontos para você criar e administrar sua loja virtual, você consegue inserir o logo, mudar as cores, cadastrar produtos e vender os produtos da sua loja fazendo tudo isso sozinho.

A mensalidade varia de planos grátis a 300 reais mensais, dependendo da plataforma de e-commerce e recursos escolhidos. Entre as mais conhecidas estão a Nuvem Shop, Rakuten, Dotstore e o Megafashion (voltado somente para moda).

Observação: Fique muito atenta com as plataformas que cobram por Pageviews, porque essa contagem é muito relativa e o barato pode sair bem caro depois.

Market Place

São lugares onde você cadastra os produtos da sua loja e eles são exibidos dentro de um shopping online.

Por exemplo, se o consumidor final busca por uma “Blusa preta”, ele faz essa busca no shopping e aparecerá todas as lojas que possuem a blusa preta.

Vantagem: Esses shoppings geralmente tem uma relevância enorme no Google, portanto seu produto pode ser facilmente indexado.

Desvantagem: As taxas estão cada vez mais caras e a política de serviço cada vez mais restrita. Eles cobram uma mensalidade/anuidade + porcentagem sobre a venda + taxa de intermediação.

Como o Moip é o único intermediador que permite Checkout Split, a maioria dos Market Places estão restringindo outras formas de pagamento e deixando somente o Moip como opção de pagamento, o que acaba limitando muito as opções de formas de pagamento para o consumidor final.

Exemplos de Market Place: Mercado Livre, Elo7 e Tanlup.

Loja dentro do Facebook

Você pode integrar sua fanpage no Facebook com uma loja virtual. Dessa forma você consegue integrar o relacionamento com o cliente com suas vendas.

Num mesmo ambiente você consegue postar lançamentos, novidades e vender os produtos, mantendo seus clientes todos por perto.

Vantagem: Não precisa criar outro site, ou outro canal para vender seus produtos.

Desvantagem: O usuário precisa ter uma conta no Facebook para conseguir comprar. O que acaba limitando um pouco os consumidores finais.

Exemplo: Likestore

Blogs com plug-ins de e-commerce

Sem dúvidas uma grande tendência no e-commerce, loja integrada com o blog.

Assim você consegue postar fotos de uma atriz da novela usando um colar que você vende na sua loja. E tudo isso no mesmo ambiente, então ela vê a foto da atriz junto com a notícia do seu blog e já compra na sua loja virtual.

Vantagem: Ambiente integrado, texto, artigos ajudam a divulgar sua loja.

Desvantagem: Os módulos de e-commerce ainda estão em aperfeiçoamento, são bem difíceis de implantar.

Exemplo: WordPress

Desenvolver uma loja do zero

Você pode contratar uma agência ou uma equipe de programadores, front-end e designer para montar sua loja.

Assim você cria a loja exatamente como você quer, somente com os recursos que você irá utilizar. Totalmente customizada e não possui limitações de layout.

Vantagem: Loja diferenciada do mercado, feita exclusivamente para seu público.

Desvantagem: Tempo e custo de desenvolvimento que costumam ser bem maiores.

Resumindo

O mercado de e-commerce não pára de crescer no Brasil, no primeiro semestre de 2013 faturou mais de R$12,74 bilhões. 24% a mais do que registrado no ano passado. (E-bit, WebShoppers). É sim um mercado em expansão, mas não existe nenhum facilitador real para quem está entrando no mercado.

As plataformas de pagamento online possuem as informações confusas e perdidas. Para encontrar informações sobre prazo de recebimento, taxas, como implantar, é necessário virar o site de ponta cabeça. Parece que é um padrão, todos desenvolvem o site igual. “Para quem quer comprar”, “Para quem quer vender”, e as informações jogadas de forma desordenada – nem os meios de pagamentos aceitos são claros no site.

Porém ainda é a forma que mais recomendo para quem está começando, porque eles assumem o risco total da venda e não é necessário contratar outra empresa de segurança para validar os dados do cartão do cliente, o que seria outro gasto extra para o lojista.
As plataformas de e-commerce estão muito cruas, todas possuem praticamente os mesmos recursos, são complexas e possuem muita dificuldade para cadastrar os produtos. Quem já teve que cadastrar mais de 1000 produtos num sistema destes, sabe muito bem disso. Porém, seu valor de investimento é barato.

O mercado é tentador, existem muitas possibilidades e ferramentas para ajudar os lojistas, porém como tudo ainda é muito recente no Brasil, pois por muito tempo só as grandes empresas conseguiam montar uma equipe ou contratar uma agência para desenvolver seu e-commerce. E hoje qualquer pessoa pode vender online, com o tempo acredito que o mercado será amadurecido, mas por enquanto temos que encontrar a forma que mais se adeque com a nossa realidade.

E todas as ferramentas do mercado que querem ser um diferencial para o empreendedor devem olhar para eles e entender quais são suas “dores”, o que realmente faz sentido e entender de uma vez por todas que (quase) ninguém que tem uma lojinha é desenvolvedor, e tão pouco quer aprender, pois só querem vender seu produto sem ter que desenvolver o sistema inteiro e muito menos dividir os lucros com qualquer empresa facilitadora.

Não é só por 5%.

Foto: Caden Crawford via Compfight cc

Criar um site profissional sem dramas

sitepx

Sim, eu amo o WordPress. Muito. Só que, em alguns casos, ele fica complexo para personalizar. E o ser humano que precisa produzir o site tem mais o que fazer e menos verba do que seria necessário para usar o WordPress pra colocar o site no ar. E aí, como resolver a questão?

Sim, existem mil e um negócios na internet oferecendo a possibilidade de criar seu site. Só que… sempre devem algo. Aí eu conheci o SitePX, no fim de 2011. Desenvolvido pelo Luciano Kalil (sim, ele é meu amigo) e seu sócio, Ricardo Monteiro, o sistema é uma joia. Não é pra menos: os dois, programadores dos bons, acreditam que a internet deve ser para as pessoas e que é importante que o cliente seja independente. Eles levaram três anos para desenvolver o sistema com todas as integrações e, o mais importante, com otimização para buscas (o tal do SEO) que é tão importante para o seu negócio aparecer bem pro tio Google.

O SitePX ajuda você a criar um site – ou lojinha – com tudo o que tem direito, inclusive integração com PagSeguro e PayPal, por menos de dez reais/mês (tem desconto pra pagamento anual, claro). Tudo é simples, claro e fácil. E mais: tutorial está integrado, então mesmo que você não saiba nada, consegue resolver seu site sozinha. Quer testar? Então, os primeiros 15 dias são grátis – e se você tuitar ganha mais 15; post no Facebook ganha outros 15 dias. Ou seja: um mês e meio de teste gratuito.

Sim, eu já usei o sistema (trabalhei para eles um tempinho, antes de adoecer) e vi sites geniais desenvolvidos na plataforma. O Panólatras – que faz estampas em pequenas metragens – começou lá. Foi o melhor jeito para se viabilizar sem gastar muito em sistema. E, semana passada, ao fazer um dos meus digital coaching aqui em casa, indiquei o SitePX sem piscar. Porque a moça que estava comigo não tem tempo, dinheiro ou energia pra aprender tudo o que um sistemão – WordPress, Magento, Prestashop – vai exigir. E precisa de algo simples, integrado, de preferência otimizado na raiz. Como o Luciano e o Ricardo entendem muito bem de SEO, otimização e assuntos relacionados, ela estará bem – e não vai precisar de ajuda por muito tempo.

A mulherada, que não é boba, adora empreender e mais ainda, fazer seus próprios sites, já descobriu o caminho. Foram produzidos com sucesso (de resultado e negócio), sites de oficinas de costura, salão de beleza, designers, advogadas, artesanatos, médicas, arquitetas, blogueiras, fotógrafas e vários outras que você pode conferir na galeria de cases (cases.sitepx.com).

Se você já está com o seu negócio prontinho e precisa de uma boa plataforma para aparecer na internet, o SitePX pode ser o melhor caminho para criar o seu site. Porque a gente ama internet sem dor de cabeça.

Blogueiras Negras

Hoje, 25 de julho, é Dia da Mulher Afro-Latina-Americana e Caribenha. Uma data que existe para lembrar a luta das mulheres negras, muitas vezes tratadas como cidadãs de segunda classe em nosso país, como a carne mais barata do mercado. A resistência das mulheres negras merece e precisa sempre ser lembrada.

Ano passado, publicamos um texto muito especial da Larissa Januário: ‘A Tia Anastácia e o pé na cozinha’. Falando sobre essa relação entre as negras e o batuque da cozinha, aquela que é sempre ajudante e nunca protagonista. Quando dizemos que o racismo no Brasil é velado, falamos desses pequenos atos cotidianos, dos olhares, de como enxergam a mulher negra que entra sozinha num bar, que chega para uma vaga de emprego, quando entra na loja cara de um shopping, de sua invisibilidade na televisão e na publicidade.

Esse texto da Larissa foi feito para marcarmos presença na I Blogagem Coletiva da Mulher Negra, organizada pela Charô, Luluzinha desde o início do grupo. Essa empreitada rendeu frutos e esse ano nasceu o projeto: Blogueiras Negras.

Talvez você se faça a seguinte pergunta: mas por que um blog só sobre mulheres negras? Porque é preciso contar as histórias dessas mulheres, que geralmente se perdem em meio a generalização de outros blogs de mulheres. É importante termos em mente que não existe “a mulher”. Dependendo de sua classe social, raça, etnia, emprego, estudo, sexualidade, entre outros fatores sociais, cada mulher viverá diferentes experiências, com diferentes perspectivas.

As Blogueiras Negras existem para marcar presença na internet:

Fazemos de nossa escrita ferramenta de combate ao racismo, sexismo, lesbofobia, transfobia, homofobia e gordofobia. Porém, também pretendemos ser uma comunidade; um espaço de acolhimento, empoderamento e visibilidade voltados para a mulher negra e afrodescendente. Acreditamos que a troca de vivências e opiniões em função da negritude partilhada não é apenas desejável, mas um objetivo comum. Queremos celebrar quem somos, quem fomos e quem seremos.

Como espaço de discussão, festejaremos nossa afroascendência. Ressignificaremos o universo feminino afrocentrado através do registro nossas histórias, nossas teorias e sentimentos. Escrevendo, gravando e produzindo, construindo nossa própria identidade como mulheres negras e afrodescendentes. Mulheres de pena e teclado, reinventando a tela para que amplifique nossas vozes.

Perguntei a Charô o que a motivou a construir as Blogueiras Negras e como ela enxerga o projeto após seis meses no ar:

O Blogueiras Negras surgiu após uma série de experiências que tive com a atuação de mulheres na internet. Nesse processo, o Luluzinhacamp é fundamental, pois foi o primeiro espaço de acolhimento, tanto virtual quanto presencial, que conheci. Um segundo espaço que me acolheu foi o Blogueiras Feministas, onde praticamente todo mundo que está fazendo o feminismo online acontecer se reúne. Conhecer um projeto chamado Afroblogs me fez perceber que talvez houvesse espaço para que a produção de conteúdo da mulher negra que escreve especificamente para internet.

Assim, em 2012, surgiu a Blogagem Coletiva da mulher negra. Algum tempo depois, li um post no Tempo Fashion, da blogueira Juh Sara, perguntando onde estavam as blogueiras negras na moda. Porque as pessoas imaginavam que esse tipo de conteúdo não poderia ser escrito por uma negra. Então, me perguntei onde estavam as blogueiras negras e imaginei o projeto. Porém, o grupo só ganhou fôlego com a chegada de outras facilitadoras. Primeiro, Larrisa Santiago e Verônica Rocha. Depois, Maria Rita Casagrande do True Love e Zaíra Mau Humor Pires.

Isso sem falar da generosidade das mulheres que se dispõe a escrever com a gente, claro.

Para mim é uma honra ser colaboradora de um projeto tão bacana. Então, não deixe de conhecer iniciativas importantes como essa e de lutar contra o racismo. Em agosto, acontecerá o primeiro Encontro das Blogueiras Negras em São Paulo, mais uma oportunidade para conhecer mulheres incríveis.

Esse post faz parte da I Blogagem Coletiva 25 de Julho – Dia da Mulher Afro-Latina-Americana e Caribenha.

Cuide bem do seu blog: o WordPress está sob ataque

WordPress-Security

Aconteceu comigo e também em muitos outros blogs e sites que usam o WordPress como sistema de publicação. Injeção de código malicioso, ataques, anúncios inesperados e indesejados. Com a ajuda dos magos do código e do servidor, fui resolvendo e me sentindo perseguida. Não é o caso. Esta semana, o blog da PortoFacil, avisa que a nossa vida de blogueiros está, sim, mais difícil. E não deve melhorar tão cedo. Nas palavras do Jânio:

O que está prestes a acontecer (na verdade, dizem que já está acontecendo) é que uma botnet* com 90.000 (isso mesmo, noventa mil) máquinas está programada para fazer ataques de força bruta contra blogs WordPress. As máquinas da botnet tentam invadir o WP utilizando o usuário admin, a partir do que podem inserir códigos maldosos nas contas de hospedagem, vindo a criar uma rede não de PCs zumbis, mas de servidores zumbis, o que é muito mais preocupante porque servidores costumam ter poderosas conexões de rede, e não raro hardware de sobra para as necessidades dos sites rodando neles.

Além disso, como o WordPress é a mais popular plataforma de blogs em uso, flexível, bacana, poderoso – mais o código aberto, facilidade de programar e estender suas funções – o torna um similar ao Windows como sistema operacional. E, do mesmo jeito, alvo para o povo que faz dos vírus e malware seu modo de vida.

As dicas de proteção para o seu WordPress

  1. Nunca tenha um usuário ADMIN. Sim, é fundamental acabar com ele. Crie outro, pelo amor.
  2. Senha FORTE (números, letras, símbolos).
    1. Tem no mínimo oito caracteres (mais é melhor)
    2. Esquisita
    3. Usa pelo menos letras e números. Incluir maiúsculas e minúsculas aumenta a segurança. Símbolos elevam ainda mais o grau.
    4. Difícil inventar? Sabe aquela frase que você gosta muito? Desenhe a mesma no teclado usando números, símbolos e tudo o que houver… costuma dar muito certo.
    5. Ainda não conseguiu inventar sua senha forte? Use o Gerador de Senhas da Via Hospedagem. E se vira pra decorar.
  3. Oculte a área administrativa. Quem conhece o WordPress sabe onde está a porta de entrada. Mude o lugar e seja feliz.
  4. MANTENHA O WORDPRESS ATUALIZADO. (preciso gritar mais alto?)
  5. Atualize todos os plug-ins! Sempre.
  6. Plugin mágico: Better WP Security. Sim, uso em todos os sites e recomendo. Quem ensinou foi o Becher, lá no blog da ViaHospedagem: Protegendo a casa com o Better WP Security.
  7. Nunca use o mesmo navegador para atualizar os sites e navegar. Sim, a partir de agora, revezamento entre Chrome e Safari, Chrome e Firefox, Chrome e Opera…
  8. Anti-vírus e firewall atualizadíssimos. Scan na sua máquina local com frequência (senão, de que vale pagar anti-vírus e ter a ferramenta?).

Daí, você (como eu) faz tudo isso e… pimba! Invasão aconteceu.

Calma! Repito: calma! Depois de repetir tudo por muitas vezes (mesmo), você cansa – mesmo com a ajuda dos santos Becher e Jânio e Fabio Lobo. E desesperança também. Não tema. Há uma saída: super Manoel Netto – que, sim, também já foi vítima destes canalhas – descobriu como fechar o corpo do WordPress.

Ele muda muita coisa, uma parte do trabalho fica BEM mais difícil, mas… funciona.

Vou além: para quem lê inglês, duas páginas do WordPress.org que foram altamente instrutivas para mim, durante o processo de escrita deste post:

Hardening WordPress (endurecendo o WP, tradução tosca)

FAQ: My site was hacked – FAQ dos sites hackeados

Lembrete importante: neste cenário, mais do que nunca, é importante ter backups do seu site (fazer toda semana, mesmo). As dicas de como fazer estão lá, no velho e bom códex do WP…A Denise Rangel também tem um ótimo tutorial.

Cuidem-se. E vamos seguir tentando fazer da internet um bom lugar…

A imagem do cadeado foi devidamente surrupiada do Manoel Netto.

[Post publicado originalmente no Ladybug Brasil, reproduzido aqui devido à gravidade da situação]

Mostre seu amor

Temos selinhos para o seu site ou blog.
Pegue o seu.

Outubro Rosa

Outubro Rosa 2014

Blogroll

Page 1 of 512345