cartaamarela89

Novo começo.

Ou a velha nova tentativa de começar. Eu venho tentando juntar alguns pedaços e organizar a mim mesma, “putting things togheter” por um longo tempo agora. Estou tentando traçar algumas metas, porque geralmente quando temos objetivos, isso nos ajuda bastante a percorrer o árduo caminho dessa organização. Pequenos objetivos, que sejam checklists diários com pequenas ações dão um enorme impulso para se chegar ao caminho certo, se você se atém aos objetivos pensando na “big Picture”. Mas, contudo, todavia, agora tudo que eu consigo ver é que estes pequenos objetivos venceram um pouco o prazo, ou seja, não me servem mais como já serviram. Devo fazer algo maior, devo me desafiar para um passo maior. A parte difícil é que eu não tenho ideia por onde começar.

Acabei concluir o meu mestrado, em Psicologia Institucional em universidade federal. Isso já é algo enorme, uma conquista árdua, suada e digna de muito orgulho. Mas, no fundo, pensando sobre a maneira na qual a vida me trouxe aqui, essa conquista é apenas mais uma dentre tantas coisas das quais eu prometi a mim mesma que faria. E eu realmente fiz, cumpri, terminei. Foi difícil, tive muitos percalços. Era pesado “só estudar”, me sentia muito solitária, me sentia, por vezes, sem valor. Apesar de tudo, superei as crises e posso bater no peito e afirmar: eu FIZ isso. De alguma forma, todo o meu sofrimento parece agora leve. E tudo o que posso ver é um grande buraco negro na minha frente: o meu futuro.

Agora eu tenho tempo para fazer o que eu quiser. Eu estou crescida. Eu sou uma mulher adulta inteligente, eu posso fazer qualquer coisa.  Posso ser o que eu quiser. Eu realmente posso. Quando falo aqui de um novo começo, o que eu quero dizer é: em qualquer momento, em qualquer lugar e qualquer coisa. O mundo é meu playground de possibilidades.

Mas, no fundo, os meus medos estão gritando: pode? Pode mesmo? Você conseguiria?

Acredito que ainda estou descobrindo ou tentando descobrir e responder à essas perguntas. Eu abro meu navegador e passo horas olhar o Google Maps, viajando mentalmente e tentando pensar sobre os lugares que eu gostaria e quero visitar, a(s) vida(s) que eu poderia construir… Procuro através de depoimentos em blogs e sites reunir algumas pistas, dicas, respostas. Há uma coisa  principal que eu estou aprendendo neste processo – através daqueles pequenos passos que disse ali em cima, devo dizer -: tudo o que você faz, você vai fazê-lo por si mesmo E sozinho. É sua responsabilidade de cuidar de você e de liderar o caminho que deseja seguir. Não deixe ninguém enganar a sua confiança, não desista dos seus sonhos, ainda que eles pareçam grandes demais ou muito longes de sua condição no presente. Você não é tão pequeno quanto você pensa que é. (De repente, eu estou escrevendo em terceira pessoa, se tornando como uma carta para mim mesma. Também serve pra você e pra tanta…).

Há um caminho para o novo começo.

E devo começar a andar. Hoje é o primeiro dia.

Vamos lá então!

::

Paula Maria é  Psicóloga, terapeuta formativa e escritora. Confeiteira e bordadeira, paciente e brava. Capixaba, 28 anos. Em busca do seu caminho e de tentar ajudar a fazer um mundo melhor.