Seja Rosa e cuide dos seus peitos #OutubroRosa2011

Teatro Amazonas, Manaus

Teatro Amazonas, Manaus

Saúde é coisa séria, não? Pois para cuidar da sua saúde, não basta falar, tem que fazer. Saiba: o câncer de mama mata 30 mulheres por dia, 50 mil por ano. No Brasil, um quarto (25%) dos diagnósticos termina em morte. O resultado é sinistro: esta é a principal causa de morte entre as mulheres brasileiras com até 50 anos.

O único jeito de prevenir o câncer de mama é com a mamografia. Auto-exame ajuda, mas não é eficaz, ok? Tem que ir fazer ui ui ui… Segundo a Femama (Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama) que promove #OutubroRosa, as principais razões para uma mulher não fazerem o exame são:

  1. Mamografia dói.
  2. Câncer mata e eu não quero saber.
  3. Vou perder os seios, os cabelos e o marido.

Ser mulher é bom, mas tem destas coisas. E é fundamental que você saiba o seguinte: a 1 milímetro de nódulo no seu peito, menos 1% de chance de cura. Direto e reto: quanto menor o nódulo, melhor. E também saiba: nem todo nódulo é maligno – pra saber precisa de biópsia.

Atendimento é o que a gente não tem

Daí que a mulher brasileira morre porque não tem sistema de saúde que a atenda. Ponto. Somente 13% conseguem mamografia pelo SUS! Detalhe: para começar o tratamento no sistema público, leva de 4 a 6 meses. Numa doença como câncer – em que as células estão se reproduzindo desenfreadamente – isso significa que o quadro piora muito antes do tratamento começar. 🙁

Aí, se você tem um plano de saúde acha que está salva? Mais ou menos! Se a mamografia é mais fácil de conseguir e o tratamento começa entre 7 e 21 dias. Só que, se você precisar do remédio específico, tem que bancar. E no sistema público ele é de graça (se não faltar).

Estas são as razões da gente fazer esta blogagem coletiva: contar estes e outros detalhes sobre a saúde dos nossos peitos. Porque na hora de dizer que é mulher, vote em mim, todo mundo aparece. Na hora de arrumar mamógrafos para o Brasil inteiro, cadê as políticas? Vamos correr atrás dos nossos representantes, participar ao máximo para conquistar mais este direito, que é fundamental.

Seja rosa: vamos acabar com o câncer de mama

Nova Iluminação, Marcos Bonfim, CC-BY-NC
foto: Nova Iluminação, Marcos Bonfim, CC-BY-NC
Outubro chegou. E já está quase na metade. Daí que a gente não pode (e não vai) deixar a data passar em branco. Não, a gente vai ficar ROSA. História é assim: a Paula, do NailsFreak, propõe uma semana rosa para a gente ajudar a conscientizar a mulherada da importância de cuidar dos peitos.
A história é assim: entre 21 e 31 de outubro, nós te fazemos um convite: SEJA ROSA. Vamos homenagear a mulher, grande vítima do câncer de mama, e ajudar a conscientizar o máximo de pessoas possível. Depois da gente ter feito a grande farra com a doação de sutiãs no Encontro Nacional, agora é hora de encarar a tela em branco e tocar a consciência alheia, com uma blogagem coletiva sobre o assunto. E vamos aproveitar para ir às ruas com nossos esmaltes cor de rosa nas unhas.
Vale contar a história do Outubro Rosa. Vale varrer a internet em busca de aplicativos. Entrevistar médicos. Contar histórias. Fazer fotos ou desenhos. Um post sobre o que você pensa. Vale tudo. Menos esquecer a mamografia.
Vamos lá? Uma grande blogagem coletiva pela saúde da mulher. O selinho está aí embaixo, com código e tudo, e você pode usar à vontade. Tá na hora de pintar a internet de rosa (e as unhas também, por que não?).
SEJA ROSA contra o câncer de mama

<a href="http://luluzinhacamp.com/"><img class="alignnone" title="SEJA ROSA" src="http://luluzinhacamp.com/wp-content/uploads/2011/10/SeloRosa1.png" alt="Seja Rosa contra o câncer de mama" width="110" height="110" /></a>

Doar Sangue é um Ato de Solidariedade

Ontem, foi o Dia Mundial do Doador de Sangue e a Organização Mundial da Saúde (OMS) pede que mais pessoas tornem-se doadores voluntários. O objetivo das campanhas não é apenas incentivar as pessoas a doarem, mas a realizarem essa doação regularmente. De acordo com a OMS, a doação de sangue beneficia principalmente mulheres com complicações durante a gravidez e o parto; crianças com anemia severa em resultado de malnutrição e malária; pessoas com graves traumas provocados por acidentes e pacientes com câncer e que passam por algum tipo de cirurgia. Também é importante lembrar que não apenas o sangue, mas também seus derivados como as células vermelhas, as plaquetas e o plasma são separados e direcionados para pacientes com complicações distintas de saúde.

No Brasil, o Ministério da Saúde promove campanhas regulares. Você pode obter informações no site do Ministério sobre quem pode ou não doar, quais as recomendações para o dia da doação (não vá doar em jejum!), além de uma lista com todos os hemocentros do país. A Portaria 1.353, publicada no dia 14/06/2011, traz duas novidades importantes para quem quer se tornar um doador:

Faixa etária para doação de sangue é ampliada. A partir desta nova legislação, jovens entre 16 e 17 anos (mediante autorização dos pais ou responsáveis) e idosos com até 68 anos também poderão doar sangue no Brasil. Pela norma anterior, a doação era autorizada para pessoas com idade entre 18 e 65 anos de idade. Com a ampliação da faixa etária para doação, a expectativa do governo federal é ampliar o volume de sangue coletado no Brasil que, atualmente, chega a 3,5 milhões de bolsas por ano.

Orientação sexual não pode ser critério de seleção. A Portaria 1.353 determina, ainda, que a orientação sexual (heterossexualidade, bissexualidade, homossexualidade) não deve ser usada como critério para a seleção de doadores de sangue, por não constituir risco em si própria. Ou seja, não deverá haver, no processo de triagem e coleta de sangue, manifestação de preconceito e discriminação por orientação sexual e identidade de gênero, hábitos de vida, atividade profissional, condição socioeconômica, raça, cor e etnia. Atualmente, doenças transmissíveis pelo sangue como o vírus HIV, não possuem mais um grupo de risco, todas as pessoas que não adotarem medidas preventivas podem adquirí-las. Portanto, é importante acabar com o preconceito aos homossexuais e bissexuais.

 

Imagem: Campanha do Ministério da Saúde

No Brasil, apenas 1,9% da população doa sangue regularmente. Segundo os parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS), para manter os estoques regulares é preciso de 1,5% a 3% da população doem sangue regularmente. Entre os fatores que fazem os hemocentros precisar cada vez mais do insumo, há o aumento de 65,3% no número de transplantes realizados no país entre 2003 e 2010, que necessitam de transfusão. Ajude a mudar esse número e também as vidas de muitas pessoas.

Não Gosto dos Meninos

Os últimos dois posts desse blog tiveram origem numa discussão em nosso grupo sobre o vídeo “Não Gosto de Meninos”. Um curta brasileiro inspirado no Projeto It Get’s Better. Idealizado por Dan Savage, jornalista americano que decidiu fazer algo ao ver os altos índices de suicídio entre jovens LGBT’s. Dan usou a internet para dizer aos jovens, que sofrem diariamente com o preconceito e a intolerância, que as coisas vão melhorar. O projeto se transformou em um grande movimento social que gerou inúmeros vídeos e teve a adesão de diversas pessoas incluindo Presidente Obama e profissionais LGBT’s que trabalham em empresas de tecnologia como Google, Apple e Pixar, entre outras.

Infelizmente, durante nossas discussões constatamos que o preconceito contra bissexuais é ainda maior. Pois muitas vezes sofrem preconceito dentro e fora do gueto LGBT. As pessoas sentem uma necessidade de encaixotar pessoas em rótulos e estereótipos, parecem temer acreditar no amor como algo menos idealizado e mais humano. Sentir atração por alguém é algo que existe no íntimo de cada um. Porque alguém que decide gostar de meninos e meninas precisa ser obrigado a decidir se é hétero ou homo? Não lutamos por pluralidade e diversidade?

Como disse a Beth em “Bi”cho Estranho:

Amo homens e mulheres. Não escolhi ser assim, do desejo ninguém foge, seria mais fácil não ser. No entanto, cada vez mais eu percebo que certas coisas a gente não escolhe, quem amar principalmente. Isso simplesmente é. E sendo, não tem muita escolha… A gente vive e pronto!

E a Natane em É só respeito, gente:

Não é que eu não queira fazer parte de nada. Eu quero é fazer parte de tudo. Eu não quero definir para não criar paredes. Eu não quero escolher porque mudo o tempo inteiro, todos os dias. E acho que tudo bem mudar.

O que todos queremos é respeito por quem somos. Qual a razão de odiar alguém que ama outra pessoa? O sexo? Depois de anos sendo seres inteligentes e criando milhares de coisas fantásticas, vamos nos definir apenas pelo sexo? Quero acreditar que não, prefiro que não haja definição e que o amor seja livre para escolher seus destinos. Somos pessoas e não robôs pré-programados para amar apenas x ou y. Por isso, continue levantando a cabeça, as coisas vão melhorar, você não está sozinho, estamos lutando com você para que isso aconteça.

Contra a Homofobia!

Hoje, o post vem mais tarde porque pela manhã participei da II Marcha Nacional Contra a Homofobia, que contou com 5 mil pessoas. Marchamos contra a homofobia, o machismo e o racismo. Marchamos por um mundo mais igualitário e pelos direitos humanos. Marchamos para que a discriminação deixe de causar tanta violência em nosso pais.

Nosso Grito!

Nosso Grito! Imagem de Srta. Bia no Flickr, em CC

A homofobia não é um problema que afeta apenas a população LGBT. Ela diz respeito também ao tipo de sociedade que queremos construir. O Brasil só será um país democrático de fato se incorporar todas as pessoas à cidadania plena, sem nenhum tipo de discriminação. O reconhecimento e o respeito à diversidade e à pluralidade constituem um fundamento da democracia. Enquanto nosso país continuar negando direitos e discriminando lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais não teremos construído uma democracia digna desse nome.

Trecho do Manifesto da II Marcha Nacional Contra Homofobia

Tem Cura!

Homofobia, Machismo, Intolerância, Discriminação, Alienação, Sexismo, Ignorância, Preconceito TEM CURA! Foto de Srta. Bia no Flickr, em CC.

Uma das grandes comemorações da Marcha foi a recente decisão do STF que reconheceu a união estável entre homossexuais. As pessoas desceram em marcha até a frente do Supremo Tribunal Federal, estenderam a imensa bandeira arco-íris e se abraçaram numa grande manifestação de agradecimento. Uma vitória que nos enche de esperança.

Afinal,  se as pessoas de preferência heterossexual só podem se realizar ou ser felizes heterossexualmente, as de preferência homossexual seguem na mesma toada: só podem se realizar ou ser felizes homossexualmente. Ou “homoafetivamente”, como hoje em dia mais e mais se fala, talvez para retratar o relevante fato de que o século XXI já se marca pela preponderância da afetividade sobre a biologicidade.

Logo, é tão proibido discriminar as pessoas em razão da sua espécie masculina ou feminina quanto em função da respectiva preferência sexual. Numa frase: há um direito constitucional líquido e certo à isonomia entre homem e mulher: a) de não sofrer discriminação pelo fato em si da contraposta conformação anátomo-fisiológica; b) de fazer ou deixar de fazer uso da respectiva sexualidade; c) de, nas situações de uso emparceirado da sexualidade,  fazê-lo com pessoas adultas do mesmo sexo, ou não; quer dizer, assim como não assiste ao espécime masculino o direito de não ser juridicamente equiparado ao espécime feminino ? tirante suas diferenças  biológicas ?, também não assiste às pessoas heteroafetivas  o direito de se contrapor à sua equivalência jurídica perante  sujeitos homoafetivos. O que existe é precisamente o contrário: o direito da mulher a tratamento igualitário com os homens, assim como o direito dos homoafetivos a tratamento isonômico com os heteroafetivos.

Trechos do voto do Ministro do STF Ayres Brito.

Bandeira no Congresso Nacional

A Bandeira do Arco-íris em frente o Congresso Nacional. Foto de Srta. Bia no Flickr, em CC.

E lembre-se, você não precisa marchar nas ruas para lutar contra a homofobia e outros preconceitos. É sempre muito bom ir às ruas mostrar para os intolerantes que somos muitos, mas você também pode se informar e esclarecer outras pessoas. No caso da homofobia, conheça o PLC 122 e o programa Escola Sem Homofobia além de outras políticas públicas LGBT’s. Apoie, critique, discuta, mas sempre baseando-se em informações corretas, não em factóides que espalham mentiras e emperram nossa comunicação. O amor deve andar livre pelo mundo, junto com o respeito e a diversidade. Há um álbum no meu flickr com fotos do dia de hoje. E recomendo posts de outras Luluzinhas que também apóiam o amor e os direitos de todos os brasileiros serem felizes, sem exceção:

[+] Dia Internacional do Combate a Homofobia da Cintia Costa

[+] Dia Internacional do Combate à Homofobia da Monise, com bela seleção de bolos temáticos.

[+] Inspirações para casamento gay uma bela seleção de fotos feita pela Cintia Costa

[+] A polêmica da #UniãoHomoafetiva e #ChupaMalafaia da Evangelista

[+] PLC 122 – Você Precisa Conhecer! e 17 de maio: Dia Mundial e Nacional Contra a Homofobia +2 posts meus.

Mostre seu amor

Temos selinhos para o seu site ou blog.
Pegue o seu.

Outubro Rosa

Outubro Rosa 2014

Blogroll

Page 5 of 9« First...34567...Last »